Terça, 21 Setembro 2021

Novas regras dificultam aposentadoria especial

O governo federal editou, no fim de junho, o decreto 10.410 para atualizar as regras que disciplinam a concessão de benefícios aos segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

João Badari - Sócio da ABL Advogados

 

Entre as mudanças, está a maior dificuldade para que trabalhadores consigam alcançar o direito à aposentadoria especial por conta do contato com agentes cancerígenos, como, por exemplo, combustíveis, agrotóxicos, minérios e a radiação presente em laboratórios de raio X.

A regra anterior permitia que a caracterização do tempo especial fosse automática por conta da atividade de trabalho. O novo decreto, porém, determinou que o trabalhador será considerado efetivamente exposto ao agente cancerígeno somente quando a nocividade não tiver sido neutralizada por medidas de controle.

De acordo com especialistas, a mudança afeta profissionais de postos de combustíveis, do setor agrícola, mineradores, operários da indústria química e construção civil e trabalhadores da área da saúde e de laboratórios, entre outros.

O advogado especialista em direito previdenciário e sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados João Badari afirma que a tendência é que trabalhadores dessas categorias percam o direito à aposentadoria especial mesmo que tenham contato habitual com as substâncias cancerígenas.

 “Para agentes cancerígenos como o benzeno, que é um elemento necessário para a fabricação da gasolina e que anualmente acomete diversos frentistas, não existia EPI (Equipamento de Proteção Individual) eficaz ou um limite tolerável de exposição. O simples fato de trabalhar diariamente com o produto já possuía presunção de nocividade. Agora, se adotadas medidas de controle previstas na legislação trabalhista, poderá ser eliminada a nocividade”, exemplifica.

Conforme as novas regras aprovadas pela reforma da Previdência, em vigor desde novembro do ano passado, os critérios para alcançar o direito à aposentadoria especial variam conforme o grau de periculosidade do trabalho.

Homens e mulheres necessitam completar 60 anos de idade mais 25 anos de tempo especial em atividade de menor risco; 58 de idade mais 20 anos de tempo especial para o médio risco; e 55 anos de idade mais 15 anos de tempo especial para atividades de maior risco.

Documentos como o PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário) e o LTCAT (Laudo Técnico das Condições do Ambiente de Trabalho), fornecidos obrigatoriamente pelas empresas, comprovam o contato com os agentes nocivos à saúde, a exemplo de substâncias cancerígenas.

A nova regulamentação também impactou o direito à aposentadoria especial ao não mencionar o período de recebimento de auxílio-doença acidentário como tempo especial. “Certamente essa questão resultará em ações judiciais, já que não é aceitável que uma vítima de doença ou acidente do trabalho não tenha reconhecido esse tempo como especial, principalmente quando se observa que, nesse período, o recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) é obrigatório justamente por se tratar de acidente ou doença ocupacional”, observa Magalhães.

 

Motoristas de aplicativo podem contribuir

O decreto 10.410/20 ainda trouxe outras alterações nas regras da Previdência Social, como a inclusão de diversos trabalhadores como segurados do INSS na modalidade de contribuinte individual, a exemplo de motoristas de aplicativos, artesãos, profissionais do programa Mais Médicos e empregados sujeitos ao contrato de trabalho intermitente.

Os direitos previdenciários foram estendidos também ao trabalhador doméstico, que passou a ter acesso a benefícios acidentários como o auxílio por incapacidade temporária e a aposentadoria por incapacidade permanente.

O decreto garantiu ainda a antecipação do 13º salário de forma definitiva aos segurados, sem que seja necessária a edição de decreto presencial, com o pagamento de metade no mês de agosto e do restante em dezembro. Foi criada uma espécie de pensão maternidade no caso do óbito de segurados que faziam jus ao recebimento de salário-maternidade.

Outra determinação foi que o auxílio-reclusão não pode ter valor superior a um salário mínimo (R$ 1.045) e que é devido somente aos dependentes do segurado recolhido à prisão em regime fechado.

Você tem dúvidas sobre a aposentadoria especial? Fale com um de nossos advogados especialistas em direito previdenciário.

Autor, Dr. João Badari, da Aith, Badari e Luchin Advogados.

Fique por dentro do que acontece em COTIA, BARUERI, ITAPEVI, IBIÚNA, VARGEM GRANDE PAULISTA E NO BRASIL.

Siga-nos!